História Cidade Salvador

Em 1501, os portugueses instalaram seu padrão de posse no dia de Todos os Santos e batizaram, com esse nome, a grande baía em volta.

Em torno de 1509, Caramuru, sobrevivente de um naufrágio, uniu-se aos índios em um povoado que viria a ser um porto estratégico para os navios de passagem, franceses e portugueses.

Em 1534, a capitania da Bahia foi doada a Pereira Coutinho, que estabeleceu uma vila na Barra, em 1536.

Em 1548, após a morte de Pereira Coutinho, Dom João III, rei de Portugal, nomeou Thomé de Souza Governador do Brasil e o incumbiu colonização efetiva da América Lusitana. Thomé de Souza desembarcou no Porto da Barra, em 29 de março de 1549, e construiu a Cidade do Salvador, de acordo com o projeto de Luís Dias, para ser a Cabeça do Brasil.

Nas décadas seguintes, Salvador tornou-se uma das principais cidades da América, recebeu várias ordens católicas que fundaram suas igrejas e a primeira catedral do Brasil. Em 1624, foi invadida pelos holandeses e reconquistada no ano seguinte.

No século 18, Salvador já contava com uma Escola de Engenharia, que funcionava no Forte de São Pedro, e uma universidade. Sim, os Estudos Gerais do Colégio dos Jesuítas foram meritoriamente a primeira universidade do Brasil. A Escola de Engenharia formou um dos primeiros grandes engenheiros brasileiros: José Antônio Caldas (1725-1782).

Em 1763, a capital do Estado do Brasil foi transferida para o Rio de Janeiro. Salvador continuou a ser a maior cidade da América Portuguesa até o início do século 19, quando o Príncipe Regente Dom João estabeleceu na cidade a sede da Corte Portuguesa, por 35 dias, em 1808. Anos depois, o Recôncavo Baiano seria o principal palco da Guerra da Independência do Brasil.

Até boa parte do século 19, Salvador continuou sua pujante evolução cultural e econômica. Nesse século, a Bahia era um celeiro de intelectuais e foi pioneira no Brasil em várias áreas importantes. Inaugurou a primeira grande casa de espetáculo do País, o Theatro São João, a primeira Faculdade para profissionais liberais, a Faculdade de Medicina da Bahia, a primeira grande Biblioteca Pública, entre outras importantes instituições. A Cidade ainda abrigava um dos maiores portos da América e um poderoso comércio.

O século 19 assistiu às muitas contribuições dos empreendedores baianos. Os engenheiros baianos foram de grande importância à construção do Brasil, a começar por Theodoro Sampaio e os irmãos Rebouças, que se destacaram na construção de estradas, ferrovias, portos e obras de saneamento em todo o Brasil. Os irmãos Lacerda construíram o maior elevador público do mundo na época.

No início do século 19, Salvador deixou de ser a maior e a mais rica cidade do Brasil, ultrapassada pela capital, o Rio de Janeiro. No final do século, a Cidade iniciou sua decadência, sendo ultrapassada por São Paulo e, no início do século 20, também ultrapassada por Recife.

Em 1912, Salvador testemunhou seus dias mais humilhantes. A Cidade foi covardemente bombardeada a mando do Presidente da República, o gaúcho Hermes da Fonseca. O número de vítimas é incerto. Séculos de história guardados na Biblioteca Pública foram incendiados.

De 1912 até os anos '30, Salvador sofreu uma reconstrução destrutiva, com a demolição de inestimáveis patrimônios históricos para abertura de grandes avenidas e a passagem de bondes. Até por volta de 1940, a cidade ainda lembrava sua antiga beleza e pujança.

Os anos seguintes foram ruins para a Bahia. A reconstrução iniciada nas primeiras décadas do século 20 esmaeceu-se. Nos anos '60, a Cidade estava degradada, irreconhecível. Os tempos de seu apogeu eram lembrados apenas em uns poucos livros de história. As grandes editoras e imprensa do Sudeste pareciam fazer questão de reduzir a importância histórica e cultural da Bahia e do Nordeste a notas de rodapé. Tentaram até roubar as origens do samba. Fatos históricos ocorridos no Sudeste foram alçados a altares imerecidos. A História do Brasil foi deturpada. A maior parte dos incentivos culturais e impostos federais foram direcionados para Brasília e para o Sudeste.

Uma reestruturação urbanística, começou nos anos '70. A primeira cidade do Brasil vem ganhando novo fôlego, estendendo-se para longe do Centro Histórico, que foi restaurado. Hoje, volta a ser a terceira maior do Brasil e seu momentum continua. A cidade é um canteiro de obras. Contribui o fato de que duas das maiores construtoras do País são baianas: a Odebrecht e a OAS.

A Cidade, construída em dois andares, é historicamente uma das mais importantes da América. A evolução de seu perfil, visto da Baía de Todos os Santos, ao longo de mais de quatro séculos, é fascinante. Além disso, as contribuições de seu povo para a cultura brasileira são imensas.

Mais: História da Bahia

 

 

A região que abriga a Cidade do Salvador da Bahia era habitada pelos tupinambás, no século 15.

 

 

Mapas e Iconografia de Salvador

Século 16

Século 17

Século 18

Século 19

Século 20

Século 21

Mapas

Monumentos

Fotografias Antigas

Patrimônios Históricos

 

Cidade Salvador

 

Acima, vista de Salvador por Salathé, em torno de 1830. Embaixo, a Cidade no século 19, em aquarela do pintor inglês T. C. Dibdin.

 

Salvador em 1931, fotografada pelo aviador inglês Alfred Buckham.

 

Cidade Seculo 17

 

Salvador durante a Invasão Holandesa, em 1625. A Cidade foi duramente bombardeada várias vezes no início do século 17.

 

Salvador

 

Monumentos

 

Salvador

 

Bahia Antiga

 

Vista panoramica

 

Perfil Salvador

 

Mapas Salvador

 

Salvador Buckham

 

Copyright © Guia Geográfico - Cidade do Salvador da Bahia de Todos os Santos, História e Evolução Física, Iconografia.

 

Turiasmo Bahia

 

 

 

 

 

 

Salvador por Hildebrandt - 1844

 

 

 

Salvador em 2012