Lindalva Justo de Oliveira (1953-1993),

Beatificada em 2006

 

Lindalva Justo de Oliveira nasceu em 20 de outubro de 1953, no Sítio Malhada da Areia, município de Assu, no vale do rio Açu, Rio Grande do Norte.

Seu pai, o agricultor João Justo da Fé, ficou viúvo e casou-se com Maria Lúcia de Oliveira. Lindalva foi a sexta filha do casal, que teve 13 filhos. Foi batizada em 7 de janeiro de 1954, na Capela de Olho d'Água, da Paróquia de São João Batista.

Em 1961, a família mudou-se para a sede do município de Assu. Posteriormente, Lindalva seguiu para Natal onde foi morar com um irmão. Lá ela concluiu o ensino médio, em 1979. Trabalhou, então, em lojas, enviava parte do salário para a família e costumava visitar casas de idosos depois do trabalho.

Em 1982, enquanto cuidava se seu pai, que tinha câncer, Lindalva decidiu dedicar sua vida para servir aos pobres. Começou, então, a fazer um curso de enfermagem e também aprendia a tocar violão.

Em 1986, ela participou do movimento vocacional das Filhas de Caridade. Em 1988, iniciou o postulantado (estágio preparatório ao noviciado), em Recife.

Em 1989, Lindalva entrou para o seminário das Filhas de Caridade de São Vicente de Paulo, na Província do Recife. Em 1991, foi enviada em missão para o Abrigo Dom Pedro II, em Salvador, encarregada de cuidar de 40 idosos, no setor masculino. Tratava a todos com simpatia e disposição de ajudar.

Em janeiro de 1993, um certo Augusto da Silva Peixoto, de 46 anos, foi admitido nas instalações do Abrigo, por recomendação, mesmo ser ter o direito de estar lá por não ser idoso. Lindalva o tratava com a mesma cortesia e respeito de sempre. Peixoto ficou atraído por ela, declarando explicitamente suas intenções de sedução, e Lindalva prudentemente distanciou-se dele. Ela poderia ter deixado o local, mas, ao contrário, declarou que preferia derramar o próprio sangue a deixar o Abrigo.

Na sexta-feira santa de 1993, ao retornar da caminhada penitencial, junto com outras irmãs, Lindalva foi brutalmente assassinada por Peixoto, com 44 facadas. Esse número de feridas coincide com o de Jesus em sua crucificação. O assassino foi preso em um manicômio judiciário.

Seus restos mortais foram transladados para a Capela Santa Izabel, no Abrigo D. Pedro II, onde trabalhava.

O Papa declarou a beatificação de Lindalva em 16 de dezembro de 2006, reconhecendo-a como mártir. A celebração foi realizada em 2 de dezembro de 2007. A memória litúrgica foi marcada para sete de janeiro, dia do seu batismo.

Mais: Irmã Dulce

 

Cerimônia de beatificação de Lindalva Justo de Oliveira, em Salvador, em dois de dezembro de 2007, presidida pelo Cardeal José Saraiva Martins, prefeito da Congregação para as Causas dos Santos.

 

◄ Abrigo Dom Pedro II

 

Companhia das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo

Essa sociedade católica foi fundada por São Vicente de Paulo e Santa Luísa de Marillac, no século 17, na França.

As primeiras irmãs reuniram-se em 1633, a Companhia foi aprovada pelo Arcebispo de Paris, em 1655, e aprovada pelo Papa em 1668. Chegaram no Brasil em 1849.

Seus membros assumem o compromisso de castidade, pobreza e obediência, com a missão de servir aos pobres, cuidando, por exemplo, de doentes, de crianças abandonadas e de idosos.

Site oficial: filles-de-la-charite.org

 

Fotografia de Lindalva no atrium do Abrigo Dom Pedro II, em 2014. Destaque sobre o conjunto arquitetônico neoclássico tombado pelo Iphan.

 

Lindalva Justo de Oliveira

 

História Cidade Salvador

 

Religião

 

Solar Machado

 

Beatificação

 

Memorial à Bem-Aventurada Lindalva Justo de Oliveira, no Abrigo Dom Pedro II, com o túmulo onde estão depositadas suas relíquias. No livro de registros, ao lado, pessoas escrevem sobre graças que acreditam terem recebido da beata.

 

 

Copyright © Guia Geográfico - Beatificação e Biografia,